Category Archives: Tim Maia Racional

The Soul Of Brazil Vol.1 – Lado b

Aumente o volume e perceba o Groove deste disco “alternativo” 12” do mestre Tim Maia, não sei se é impressão mas ficou pesado!

Com certeza vale conferir!

folder

Link Original

Share

The Existencial Soul of Tim Maia – Nobody Can Live Forever

tim-maia-cover_cropped

In the early 1970?s, Brazilian popular music was approaching a high water mark of creativity and popularity. Artists like Elis Regina, Chico Buarque and Milton Nascimento were delivering top-shelf Brazilian pop, while tropicalists Caetano Veloso, Gilberto Gil and Os Mutantes (see World Psychedelic Classics 1) were entertaining the college set with avant-garde fuzz-pop poetry.

Enter Tim Maia with a massive cannonball into the pool. It was the only dive Tim knew. Standing just 5’7 (6? with the Afro) Tim Maia was large, in charge and completely out of control. He was the personification of rock star excess, having lived through five marriages and at least six children, multiple prison sentences, voluminous drug habits and a stint in an UFO obsessed religious cult. Tim is also remembered as a fat, arrogant, overindulgent, barely tolerated, yet beloved man-child who died too young at the age of 55.

Sebastiño Rodrigues Maia was born in Tijuca, Rio de Janeiro, on September 28, 1942. He was the 18th in a family of 19 siblings. At six he started to contribute to the family income by delivering homemade food prepared by his mother, Maria Imaculada Maia. Tim learned to play guitar as a child and was 15 when he formed his first band. They called themselves The Sputniks and were notable for also including Roberto Carlos, a neighborhood pal of Tim’s who would later become one of Brazil’s biggest stars. In 1957, at the age of 17, the singer went to America. He left home with $12 in his pocket and no knowledge of English. He adopted the name ‘Jimmy’ and lied to the immigration authorities, saying that he was a student.

Living with distant cousins in Tarrytown, New York, he worked odd jobs and committed petty crimes. Having a prodigious ear he quickly learned to speak, sing and write songs in English. He formed a small vocal group called The Ideals who even recorded one of Tim’s songs, “New Love.” Intent on starting a career in America, Tim never planned on going back to Brazil, but like a badass Forrest Gump, he also had a knack for being in the wrong place at the wrong time. In a 1964 early pre-cursor to Spring Break’s modern debauchery, Tim was busted in Daytona, Florida for smoking pot in a stolen car and served six months in prison. U.S. Immigration caught up with him and he was deported.

Back in Brazil, Tim told his friends that he hadn’t spoken a word of Portuguese for the last 3 years of his stay in the U.S. Not surprisingly, he was completely out of step with the prevailing mode of MPB and Tropicalia. Eventually he got a huge break when legendary singer Elis Regina fell in love with his song “These Are the Songs” which had been released as a single on the Fermata label. She invited him to sing a duet of it with her in Portuguese and English on her 1970 album “Em Pleno Verño”. This high profile debut forced people to take notice of the unknown singer/songwriter with a big voice, bigger afro and huge ambitions. Soon after, Philips signed Tim to a recording contract. In 1970 his first album spent 24 weeks on the charts, beginning a new chapter in Brazilian music.

His close friend, Nelson Motta, who was the A & R rep who signed Tim to the Philips label remembers Tim’s initial impact on the scene:

He was something absolutely new. Until then, Brazilian music was divided into nationalist MPB Tropicalia and international rock. All really white and really English. Tim Maia changed the game, introducing modern black music from the U.S. to national pop music, linking funk and baiño, bringing soul closer to bossa nova and opening windows and doors to new forms of music that were not Tropicalist, nor MPB, nor rock n’ roll: they were quintessentially Brazilian. They were Tim Maia. Prior to the 1970?s, the average white, urban Brazilian imagined him or herself living in a harmonious melting pot of European, African and indigenous heritage, but racism, despite being distinctly different than in North America, still permeated Brazilian society. There were no shortages of prominent Afro-Brazilian musicians, singers or composers, but black Brazilians were primarily typecast as nothing more than happy-go-lucky samba singers.

Tim wasn’t the first Brazilian artist under the sway of North American black music: Wilson Simonal and Jorge Ben experimented and synthesized different soul and funk rhythms into their styles, but Tim was the first to completely flip the equation, embracing soul and funk music wholeheartedly, adding indigenous Brazilian touches if and when they fit.

Tim’s first commercial records showed that a black Brazilian singer could assert his identity with confidence and power. His music helped to build the Black Rio movement, a new Afro-Brazilian music culture influenced by the U.S. civil rights struggle. As a result, Tim Maia’s soul music described a modern Black Brazilian identity that blew the doors off mass culture’s tightly circumscribed role for Afro-Brazilians.

More importantly, as Tim basically says in “Let’s Have a Ball Tonight:” ‘Fuck politics! Let’s make love and party!’ According to Nelson Motta, the impact of his music was felt where it mattered the most: on the dance floor and in the bedroom: With his thundering and sultry voice he enchanted and seduced legions of dancers and lovers along his explosive and turbulent career of 40 years. Sweetening and adding velvet touches to his voice, then downing the lights, he crooned his ballads and inspired hot romances and lots of sex, like a tropical Barry White (one of his idols, together with Isaac Hayes and James Brown). Like no other pop star – including most of the best comedians in the land – he made the people laugh. “I don’t burn, I don’t snort, and I don’t drink. My only problem is that sometimes I lie a little.” (Often said with a joint in hand). He was the funniest (and smartest) man in the Brazilian music scene. With hit after hit, he started his brilliant career, cheered by critics and adored by the big audiences, rich and poor, black and white, rockers and bossanovistas as well.

A funny thing happened when Tim Maia launched his career in Brazil: he kept on writing and recording songs in English. Every album (all titled Tim Maia with only the copyright years to differentiate) included at least one, if not a few songs in English. Obviously, Tim “Jimmy” Maia’s teenage dreams of international soul success didn’t die when he was deported from the U.S.

As Motta notes:
He always dreamed of coming back to America to be successful. But, in Brazil none of his songs in English, not even “These Are the Songs” were hits. Critics and musicians loved it, but nobody else cared. The songs never played on the radio and he rarely sang them in his shows. He had so many huge hits in Portuguese, there was no point in any one listening to songs in English. He always did whatever he wanted, so the record label people, who were basically afraid of him, would take whatever he gave them.

In 1971, fresh from the big hit of his first album, Timwent to London and spoiled himself. He smoked, inhaled, drank, traveled on acid, listened to music, argued with his wife and returned to Brazil with 200 doses of LSD to distribute amongst his friends. As soon as he arrived, he went to (recording company) Philips’ offices, which he called “Flips,” where he visited various departments, beginning with those he considered most “square,” like the accounting and legal departments, where he acknowledged the boss and repeated the same introduction, in a calm and friendly voice:
“This here is LSD, which will open your mind, improve your life, and make you a better and happier person. It’s very simple: there are no side effects. It is not addictive and only does good. You take it like this . . . “

He would place the acid in his mouth, swallow it and leave another at the front desk. Since he was one of the best-selling artists for the company, everyone thought it humorous. In the production and journalism departments, the gifts were a success. Even Andre Midani, the president of the company, received his.

Tim returned home in his jeep, certain that he had saved “Flips’” soul.

It’s hard to believe, considering the tossed off brilliance of his songs, that Tim Maia did not care much for lyrics (or lyricists for that matter). Motta says, “Tim would ‘fill-up’ the music with good sounding words and that was that.” His English lyrics were so spontaneous and off the cuff that they sound more like Tim is having a conversation, with whomever was around, about his own tumultuous life. One line that seems to sum up his restless feelings after his initial success is “I am so groovy now and I don’t care.” Considering Tim’s sense of largess, not to mention his largeness, it’s not surprising he would quickly grow jaded and continued to search for new sensations.

In 1974, touched by who knows what, he converted to a religious sect, the cult of Racional Engergy. The sect was based in the faith that we are perfect beings from a distant planet, exiled on Earth to suffer but able to purify through the reading of a single book and to finally be rescued by flying saucers of our original home. It was a perfect fit for someone like Tim.

At the moment of his illumination, he was finishing his fifth solo album with what would later become known as the Vitória Régia Band, the band that would be with him the rest of his life, almost. When he joined the cult, he dressed in white, shaved his ever-present facial hair, he quit alcohol, drugs and red meat and always kept a strange book in-hand. He would say things that, for him, were completely out of character, like “Pot and booze are the devil’s stuff.” He decided that all the songs he recorded and sang would be in celebration of his new faith in the Superior Rational from outer space. He rewrote the lyrics and recorded the funky devotional albums Tim Maia Racional I (1974) and II (1975). Philips had no interest in these bizarre and uncommercial songs, but that did not stop Tim Maia. Always a pioneer, he started the first independent music label in Brazil, called Seroma, and arranged for the albums to be produced and distributed by his company. The label name was taken from his initials: S E bastiao RO drigues M A ia.

Having given up smoking and drinking, he had lost a lot of weight and his voice had never been so clean and strong. His singing on the Racional albums is unrivaled, but to most the lyrics didn’t make any sense. Radio refused to play the Racional albums, which were mostly purchased by fellow cult members.

He left the sect one year later, broke, disillusioned and fed up with the hypocrisy of the cult leader. He ordered the destruction of all the Racional recordings and forbade anyone to record the songs. As someone who prided himself on being street smart and prison wise, Tim may have felt a bit ashamed of having been duped by a charlatan in a white robe preaching about UFO’s.

On his first post-Racional album Tim Maia 1976, Tim made sure to include a couple of ‘answer’ songs, possibly to assure fans that he was no longer under the sway of extra-terrestrials. Leaving Racional ism behind, Tim once again embraced the earthy reality of life. In “Nobody Can Live Forever,” he confronts human loneliness (“Nobody will know how I feel”) alongside the absence of God (“There’s no heaven / there’s no god / there’s no devil / there’s no hell), and concludes with existential resolve. “Play your music,” he chants.

As his career carried on through the 70s, 80s and 90s Tim became more like the folkloric characters he liked to 
sing about – the malandros – someone you had to be careful about trusting. He was famous for not showing up at his own shows and for sometimes appearing so drunk that he was not able to perform. When he did show up, he would terrorize the sound guy with demands for “More Bass! More Treble! More Volume! More EVERYTHING!”

Four months before his death, at his own cost, he played a chaotic show at a hotel lounge in Miami attended by 50 Brazilian nuts. He then filmed a fabulous road trip from Miami to New York, including the Daytona pen, New York City and Tarrytown, all the places he visited 40 years earlier, talking to people along the way. It was a like a wrap-up of his unfinished history.

He died on March 15, 1998, at the age of 55.

“I am bicão,” he used to say about himself, which is slang for people who go to a party without an invitation. He may have crashed the party, but he never failed to warm it back to new levels of fun and decadence.

– Allen Thayer, Paul Heck and Nelson Motta

An Introduction to Tim Maia from Luaka Bop on Vimeo.

Share

Racional Remixado vol. 1

TMR Remix
“Racional Remixado”, com músicas do álbum “Tim Maia Racional”, de 1975. Max de Castro, o DJ Zegon, o coletivo Instituto, o produtor Bruno E., o DJ Mau Mau e o grupo Bossacucanova, entre outros, também assinam remixes nesse disco, da Trama.

Lançado pela primeira vez em CD neste ano, também pela Trama, “Tim Maia Racional” saiu originalmente em 1975, quando o músico fazia parte da cultura racional, seita cujas idéias de “desenvolvimento do raciocínio” são divulgadas nos livros “Universo em Desencanto”.

Quando abandonou a seita, Tim Maia proibiu o relançamento do disco e também de seu trabalho seguinte, “Racional 2”, até a sua morte, em 1998.

Por ter passado mais de 30 anos apenas disponível em vinil, sem relançamento, “Tim Maia Racional” se tornou um dos discos mais cobiçados por colecionadores e produtores. Apesar do caráter panfletário das letras, o disco é considerado um dos melhores de Tim Maia pela sonoridade funk e pelos grooves e foi sampleado por Marcelo D2 e o grupo Racionais MC’s.

Racional Remixado vol. 1

01. Rational Culture (bruno e remix)
02. Rational Culture (parteum remix)
03. Bom Senso (by silveira)
04. Imunização Racional (Que Beleza) (instituto remix)
05. You Don´t Know What I Know (jmb remix ft. robinho e maita)
06. Leia o Livro universo em desencanto (rappin hood remix)
07. Universo em Desencanto (zegon remix)
08. Bom Senso (by bossacucanova)
09. Imunização Racional (Que Beleza) (madzoos rebirth remix)
10. Rational Culture (by grand daddy & jam com participação de heloize malaquias)
11. Bom Senso (by max de castro)
12. You Don´t Know What i Know (by dj mau mau and soul remix)

Link Original

A senha/Pass é: ORIGINALFUNKMUSIC

Share

Tim Maia Racional part 2

Tim+Maia+_Soul_Brazil_Music+1

CULTO RACIONAL: Hoje, cultua-se a fase Racional de Tim em quase todos os setores possíveis e imagináveis da música – Caetano Veloso já teceu loas aos dois discos e até artistas como Timbalada, Monobloco e Gal Costa gravaram “Imunização racional (Que beleza)”, talvez motivados pela batida proto-samba-reggae da música. Entretanto, no meio underground e no circuito dos bailes black é que a coisa pegou fogo. Marcelo D2, no CD Eu tiro é onda, dedicou versos inteiros da música “O império contra-ataca” aos discos de Tim (“a casa cai quando toca o som do Tim Maia Racional”). Fred 04, do mundo livre s/a, e DJ Hum já se declararam fâs e disseram que “Rational culture” cai bem em bailes (Fred definiu a viagem black de Tim como “pipoca”, gíria para música que esquenta o salão). Músicas dos dois discos também puderam ser escutadas há alguns anos em apresentações do show Música Preta Brasileira, com Zé Ricardo, Sandra de Sá e Toni Garrido.

(em cartaz durante um bom tempo na casa de shows carioca Ballroom). A banda gaúcha Ultramen também manteve um projeto em que os músicos só executavam canções desta fase de Tim.

Além dos nomes mais conhecidos, várias bandas novas ajudam a aumentar o culto. O músico carioca André Paumgartten, por exemplo, é vocalista da banda Arkham (definida por ele como “neo-metal brasileiro”), que costuma tocar em seus shows “Bom senso” – justamente uma das músicas que mais propagandeia a seita. André, que se define como “viciado” nos discos, chegou a tirar todas as músicas da fase Racional com sua banda, nos ensaios. “Na minha opinião, esses discos são os mais injustiçados do Brasil. Todo ano são lançadas varias coletâneas do Tim e nem citam as musicas desse periodo”, conta. Ele não teme ser mal-interpretado ao cantar a música nos shows: “Aquelas músicas parecem a história da minha vida. Só faltou o livro vir à mão”, brinca, citando a letra da faixa. Já Vital Cavalcante, vocalista da banda carioca Jimi James, conta uma história das mais pitorescas: um amigo seu, fâ dos dois discos, chegou de fato a se envolver com a Cultura Racional e até ganhou um vinil de um senhor que pertencia a seita. Vital gosta das músicas desse período, mas é mais equilibrado no culto aos discos: “Acho que no Brasil tem aquele ´culto ao maldito´, aquela coisa de que o que é bom é aquilo que não deu certo, que ninguém ouviu. Não é bem assim”, diz ele, que prefere a fase inicial de Tim.

Baseado no mais puro boca-a-boca, o culto só parece aumentar. E olha que tornar-se fâ de Tim Maia Racional não é tarefa fácil – um exemplar em qualquer estado pode custar mais de cem reais. Em CDR, encontra-se fácil o disco, em lugares como a Galeria do Rock (SP) ou a rua Pedro Lessa (RJ). E já há CDs prensados em fábrica – verdadeiros “piratas oficiais”, confeccionados sem o consentimento dos herdeiros do cantor. “Alguém mandou limpar os LPs e, ao invés de ficar copiando em CDR, mandou logo prensar uma tiragem, com capa e tudo. Diz o pesquisador musical Marcelo Fróes, que deparou com um exemplar em São Paulo, de procedência ignorada. Também é possível encontrar vinis piratas com as faixas dos dois discos, além de várias lojas virtuais que vendem os CD-Rs. “Tim Maia Racional é um dos itens mais procurados no mercado de pirataria. A saída sempre é boa e sempre tem várias pessoas de fora do país procurando”, diz um pirateiro que não quis se identificar. A fama já atravessou fronteiras: quando esteve no Brasil para uns shows, Flea, baixista do grupo norte-americano Red Hot Chili Peppers, chegou a ganhar de um fâ cópias piratas dos discos.

Tim+Maia+++70s++brazilian+soul

EM BUSCA DAS CANÇÕES PERDIDAS Além das canções dos discos Racional I e II, fala-se em mais pérolas obscuras. De acordo com pesquisadores, o montante de gravações feitas por Tim e sua banda na época daria para fazer pelo menos mais um volume, nunca editado. Sabe-se que entre os dois volumes, a Seroma ainda soltou mais dois lançamentos – algo provado pelo fato do volume I vir com o pioneiro selo 0001 e o II com o 0004. Entre os álbuns teria saído um single com a faixa “Desencanto universal”, cantada por um cantor desconhecido, ao lado da banda Vitória Régia, além de mais um com o “Hino Racional”, tocando e cantado pela própria Banda Racional, e mais as canções “Minha felicidade racional” e “O grão-mestre Varonil” (a mesma vinheta que aparecia no primeiro álbum, só que em outra versão). Ambas as músicas podem ser encontradas em algumas versões piratas do disco, já em CD-R. “Ela partiu” e “Meus inimigos”, geralmente incluídas por pirateiros, não fazem parte de nenhum dos dois volumes do Racional – elas compunham um obscuro single lançado por Tim Maia na Odeon, em 1977, após sair da seita. As duas faixas são cultuadíssimas pelos fâs samba-rockeiros de Tim e costumam ser executadas até hoje em bailes black (“Meus inimigos” chegou a ser incluída numa coletânea da EMI/Copacabana, Samba-rock, o som dos blacks).

E DEPOIS? Após sair da seita, Tim estava ferido, falido e totalmente desencantado com tudo – Nelson Motta, em artigo recentemente publicado, afirmou que o cantor voltou a ir fundo nas drogas. Graças ao prestígio anterior, conseguiria retornar para a Polydor, pela qual gravou mais um Tim Maia, em 1976, com os sucessos dance “Tudo vai mudar”, “Dance enquanto é tempo”, o afro-soul “Rodésia” e uma homenagem aos filhos, “Márcio Leonardo e Telmo”.

Tim+Maia+++Seroma++1976

Créditos da foto que é do acervo do Paulinho Guitarra.

Paulinho Guitarra, Paulinho Roquete, Tim Maia (com Marcio Leonardo), Pi, Junior Mendes, Carlinhos Simões, Zé Mauricio, Paulinho Batera e Antonio Quintella à frente. Grupo/banda de Tim Maia em 1976.

De qualquer jeito, sua carreira jamais seria a mesma. Estigmatizado como doidão e totalmente abalado, Tim começaria um pula-pula de gravadora em gravadora, sempre tencionando largar as multinacionais e abraçar a produção independente – numa época em que não havia nenhuma estrutura para isso. Ainda pela Seroma, gravou um disco em inglês, With no one else around, que enviou a várias pessoas objetivando distribuição mundial, sem sucesso. Em 1977 sairia mais um disco homônimo, pela Som Livre (com os quase sucessos “Pense menos” e “Feito para dançar”), cujo texto de contra-capa trazia ecos da fase reflexiva do músico: “aquele que aprendeu é o que aprendeu que não aprendeu nada. Não existe um bocado de coisas que dizem que existe. O que existe está aí e nós não vemos”. Em 1978 o sucesso voltaria brevemente com Tim Maia Disco Club (WEA) e as faixas “Acende o farol” e “Sossego”. Mas para se recolocar no mercado, Tim acabou achando filão melhor nas apelativas canções de Michael Sullivan e Paulo Massadas, que passaria a gravar em 1983, com “Me dê motivo” e “Leva” – nessa época, também fariam sucesso canções de sua lavra, como “Do Leme ao Pontal” e “Vale tudo”.

De 1970 a 1998, quando morreu, Tim compôs, tocou e se apresentou muito, mas também especializou-se em declarações bombásticas e frases corrosivas. Zoou o coreto de vários colegas de profissão, fez piadas com os movimentos que assolavam por vezes a MPB (dizia que ia montar o Cantores Unidos, C.U.), arrumou encrenca com vários poderosos e brilhou em apresentações que mesclavam humor e música, além de buscar driblar os próprios problemas – numa entrevista, Tim chegou a se dizer “diplomado em carências, dores de corno e sofrências”. O documentário Tim Maia, de Flávio Tambellini (1987), mostra bem isso, ao exibir Tim dando suas costumeiras declarações sobre mulheres, música, capitalismo (“o mundo só vai ficar legal quando acabar o dinheiro, é uma loucura, todo mundo rouba”), etc. Devido a uma cena do próprio documentário de Flávio – na qual Tim aparecia fumando um baseado em casa – o cantor se estressou com repórteres do Jornal do Brasil que exploraram o fato. A vingança viria a galope: quando lançou o disco Somos américa, em 1987, Tim convidou repórteres do JB para ouvir o disco em sua casa e, munido de uma câmera de vídeo, filmou os convidados. Tim também trocou farpas com o pessoal do grupo Casseta & Planeta, por conta de um LP lançado pela troupe, Preto com um buraco no meio – o cantor declarou que iria compor uma música em homenagem a Bussunda & cia., com o singelo título de “Branco com um buraco na testa”.

Nos últimos anos, além de soltar uma série de lançamentos independentes pelo seu selo Vitória Régia discos – em 1997 saíram cinco CDs, lançados quase ao mesmo tempo, inclusive com distribuição em bancas de jornais – Tim dedicava-se a ajudar orfanatos, falava sobre candidatura ao senado (!), continuava interessadíssimo em enxergar discos voadores no céu e prosseguia dando shows. Em uma de suas últimas entrevistas, para a MTV, Tim escutou da repórter a pergunta “quais são seus planos para 1998?” e quebrou qualquer protocolo ao responder: “comprar uma bunda nova, que a minha tá rachada!”.

Tim+Maia+++Seroma++1973

Tim Maia: guitarra base, Luiz Carlos Fuína: bateria e Paulinho Guitarra: guitarra solo. Parte da banda de Tim Maia, em 1973.

Entretanto, é o lado musical de Tim que fala mais alto, bem mais que o folclórico. Mesmo em suas últimas gravações, nas quais praticamente só regravava canções antigas e músicas de colegas. Ou em discos memoráveis e melhores ainda que a fase Racional, como o LP ao vivo de 1992 (no qual registrou “Garota de Ipanema” em inglês e com vocal de negão novaiorquino) e vários outros. Boa parte desta discografia não se encontra nas lojas e é quase tão rara quanto os discos Tim Maia Racional. Uma pena.

DEPOIMENTO: Fomos perguntar a Hyldon o que ele achava da fase Racional de seu velho e saudoso amigo Tim. Ele respondeu com um depoimento cheio de histórias do cantor.:

“Naquela época eu morava em São Conrado, o apartamento era bem alto e tinha uma bela vista para o mar. O Tim costumava me visitar pra tocarmos, conversarmos ou simplesmente passear de carro até o Recreio. Eu retribuía essas visitas indo ao estúdio da Seroma na Lagoa tocar com ele e a Banda Vitória Régia. Levava minha guitarra e passava horas viajando com aquele som.

Um belo dia o Tim aparece lá em casa todo vestido de branco e com um livro na mão.

– Cara, você tem que ler esse livro! – e me deu de presente, o Universo em Desencanto. Tinha um brilho estranho nos olhos, falava como se tivesse descoberto Deus. Elogiava e idolatrava os conceitos de um tal “seu” Manoel, líder daquela de seita. Começou a freqüentar direto a casa desse senhor e passou a viver 24 horas em função daquela doutrina.

Ficou um porre. Eu comecei a ler o livro mas parei na página 42, e quando passava na minha casa todo vestido de branco e perguntava se já tinha terminado eu simplesmente dizia:”Tô lendo, Tim, tô na página 42″. E nosso papo ficava por aí sobre esse assunto, mas continuamos nos relacionando normalmente.

Cada vez mais envolvido, Tim exigia que todos que freqüentassem a sua casa só usassem essa cor. A Banda também se vestia toda de branco. Lembro de um episódio: o Tim havia sido convidado para se apresentar num programa ao vivo – se não me engano era um festival chamado Abertura na TV Globo, em São Paulo – e seria ao vivo. Tecnicamente tinha um problema com cor branca na tv. O pessoal pediu pro Tim e a Banda trocarem de roupa, branco não dava. Depois de muita discussão ele, irredutível, simplesmente foi embora, não fez o programa.

Uma vez estávamos conversando na janela do meu apartamento, quando ele ficou um tempo com o olhar vago olhando em direção ao mar. E perguntou:

– Tá vendo? Tá vendo?

– O quê, Tim? – perguntei.

Ele respondeu com os olhos fixos e brilhantes:

-As luzes, as luzes, estou vendo as luzes.

Soube depois que ele dali seguiu pra contar a novidade pra Marlene Morbeck, amiga nossa de longa data que morava em Jacarepaguá. Quando ele falou sobre as luzinhas pra Marlene ela enfaticamente falou:

– Tim, você tá vendo um monte de luzinhas, parecendo estrelinhas brancas?

– Isso mesmo, Marlene. Você também tá vendo?

– Isso é fígado, Tim Maia! – e caiu na gargalhada…

Agora voltando a música, o Tim compôs muito nessa época. Lindas canções, mas as letras eram doutrinas da seita.

Acho que muitas se perderam por causa disso. A que fez mais sucesso foi “Que Beleza”, que pode ter uma outra leitura. Pra se ter uma idéia da idolatria do Tim ao seu “novo” guru basta ler a letra de uma das músicas: “Seu Manoel homem sábio e profundo semeou conhecimento etc” (letra de “O grão mestre varonil”). Tudo ia muito bem, O Tim tornou-se o maior garoto propaganda da seita, lançou dois discos independentes com vendas revertida para Seu Manoel e seu Universo em Desencanto.

Mas como diz o ditado “Não há bem que sempre dure ou mal que nunca acabe”: um belo dia Tim descobriu que Seu Manoel não era nenhum santo e sim um tremendo 171. Acho que isso foi uma das maiores decepções da vida dele. Abandonou a seita e por um longo tempo ficou um cara seco, cético e arredio em termos de religião, não acreditava mais em nada. Acho que essa decepção marcaria para sempre sua vida. Mas para nós, os amigos mais íntimos, foi um alívio ter o nosso amigo de volta, mesmo que muito ferido”.

O texto acima foi publicado no site Ruídos.

Share

Tim Maia Racional part 1

“Já virei calçada maltratada/e na virada quase nada/me restou, a curtição/já rodei do mundo quase tudo/no entanto, num segundo este livro veio à mão/já senti saudades, já fiz muita coisa errada, já vivi nas ruas, já pedi ajuda/mas lendo atingi o bom senso/a imunização racional”.

tim+pregador

NUM DIA QUALQUER DE 1974 – diz a lenda – Ed Motta, sobrinho de Tim Maia, recebeu em sua casa boa parte da coleção de vinis de black music do tio, que havia acabado de se converter à seita Universo em Desencanto. Tim, que vinha de uma fase de glória, mas repleta de excessos de todos os tipos, tornara-se um aplicado “estudante” do Mundo Racional, a partir do contato com um único livrinho. A tal seita, que começava a chamar atenção no meio musical carioca – os compositores João Roberto Kelly, Tibério Gaspar e o forrozeiro Jackson do Pandeiro estavam entre os seguidores – tinha conseguido um seguidor dos mais improváveis. Tim largou praticamente tudo o que havia construído até então (e, junto, as drogas) para se embrenhar na Cultura Racional. Junto, levou toda sua banda e tentou carregar vários de seus amigos.

Tim Maia Racional  - Foto 4

A não ser por vontade própria, quando resolvia abrir o microfone e detonar tudo e todos, Tim pouco se referiu a esta fase da sua vida. Em 1988 o jornalista Thomas Pappon foi entrevistá-lo para a revista BIZZ, tocou no assunto e tudo que ouviu foi um lacônico “eu me liguei nisso quando estava naquela fase mística dos trinta anos…”. Marisa Monte quis regravar uma das músicas do disco, “Imunização racional (Que beleza)”, e acabou ouvindo um pedido do próprio Tim para que desistisse da idéia – Gal Costa, que provavelmente não consultara o cantor, passou na frente de Marisa. A fase Racional de Tim Maia deu vulto a uma obscura seita, que existe até hoje e enche os muros das regiões periféricas do Rio de Janeiro de pichações e propagandas. E gerou dois discos de soul radical, jamais relançados oficialmente e renegados por ele até sua morte, em 1998.

timtv

ANTES DO BOM SENSO: “Já virei calçada maltratada/e na virada quase nada/me restou, a curtição/já rodei do mundo quase tudo/no entanto, num segundo este livro veio à mão/já senti saudades, já fiz muita coisa errada, já vivi nas ruas, já pedi ajuda/mas lendo atingi o bom senso/a imunização racional”. Esta é a letra, ipsis-litteris, de “Bom senso”, música que parece relatar a mudança que ocorreu na vida de Tim Maia ao entrar em contato com a seita Universo em Desencanto. “Iniciada” por um ex-umbandista da baixada fluminense, Manoel Jacinto, a seita era um verdadeiro trabalho de estudo, dividido em vários livros, que deveriam ser adquiridos pelos fiéis, e que compunham uma extensa obra, ditada pelo “Racional superior” (“um raciocínio superior ao de todos os deuses”) a “seu” Manoel – um negão de dois metros de altura, falecido em 1991, que coincidentemente tinha uma mancha facial idêntica a de Tim.

A tal “calçada maltratada” parece ter sido uma sina na vida de Tim. Nascido Sebastião Rodrigues Maia em 1942, Tim passou a infância na Tijuca e conviveu desde cedo com três outras figurinhas carimbadas da música brasileira, Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Jorge Ben – com quem por sinal dividiu um apelido, “Babulina”. Filho do dono de uma pensão, Tim entregava marmitas e teve entre seus fregueses o próprio Roberto, que ia direto almoçar na casa do futuro cantor (“aturei muito ele quando veio de Cachoeiro do Itapemirim. Não gosto do trabalho do Roberto de jeito nenhum”, detonava). A explicação para a mágoa que Tim tinha de Roberto Carlos provavelmente vinha de alguns episódios da adolescência, relatados causticamente pelo cantor em algumas entrevistas. O então desmancha-rodinhas Tim Maia chegava em alguns grupinhos da época e escutava frases dissimuladas: “ih, lá vem o Tião Maconheiro…”.

No final dos anos 50, Tim foi para os EUA para “estudar televisão”. Lá, montou grupos vocais com uns amigos italianos, gravou compactos e até se divertiu com as garotas americanas (“fiz sexo oral com uma pretinha e isso me rendeu sexo oral com outras pretinhas; o negro americano não faz sexo oral”, contava) – mas dançou com maconha e acabou sendo conhecendo as prisões de lá. Em 1963, foi deportado para o Brasil, enfrentando narizes torcidos de vários amigos. Com a maior cara de bandido, chegou a subir ao palco do Jovem guarda (antes, na cadeia, teve a sensação de estar sendo sacaneado quando recebeu uma carta de Erasmo falando sobre o programa) e até engrenou uma carreira. Mas acabou preso de novo, quando roubou as cadeiras de um teatro no Rio para “comprar um negócio”.

Tim fez outras tentativas: gravou um obscuro single solo, “Meu país”, pela CBS; produziu um disco inteiro de Eduardo Araújo (A onda é boogaloo); mandou músicas para artistas como Os Incríveis, Guilherme Lamounier e Toni Tornado; gravou outro single, “These are the songs”/”What do you want to bet” pela Fermata; apareceu nos programas da TV Bandeirantes interpretando canções ao lado dos Mutantes (anos depois admitiria que sentiu “o maior ciúme” quando viu os amigos cantando “Domingo no parque” com Gil num festival), etc. Em 1969, fez amizade com os soulmen Cassiano e Hyldon e gravou um disquinho com “Primavera”, de Cassiano e Silvio Rochael, pela Polydor, que ficou engavetado. Na geladeira da gravadora antes mesmo de ter algum disco editado (!), Tim chamou a atenção de Elis Regina e Nelson Motta, que escolheu uma música sua, “These are the songs”, para ele e a cantora gravarem, com sucesso. Graças a isso (e a – dizem – um soco de Tim na mesa do então presidente da gravadora, André Midani) o single saiu e Tim começou uma história de sucesso, resumidinha em seus 4 primeiros LPs, lançados entre 1970 e 1973.

Tim+Maia+++1977

“JÁ NÃO DEPENDO DAS LOUCURAS…” A razão pela qual Tim entrou na seita é obscura: se foi por querer se livrar das drogas, se foi pelo desejo de entrar em contato com discos voadores (motivo apontado por muita gente)… “Tim passava por um momento difícil”, diz outro soulman e amigo de Tim, Hyldon. “A Geisa, mulher com qual teve um filho e que morava com ele, tinha ido embora. E ele já tinha tomado uma porrada com a mulher anterior, a Janete, já falecida. Acredito que num momento de desespero ele buscou uma ajuda espiritual”. Naquele momento, Tim já era pai de Carmelo, Telmo e adotara Márcio Leonardo, filho de Geisa a quem criou (hoje ele é conhecido como o cantor Leo M.).

O primeiro contato de Tim com a seita foi ao encontrar um livrinho (o tal “que veio a mão”) na casa do amigo compositor Tibério Gaspar, cujo pai já pertencia ao Universo Racional. Ao que consta, a iniciativa auto-bancada de Tim já estava em andamento quando o cantor decidiu conhecer a seita, raspar a cabeça e vestir branco. Sem gravadora, o cantor já havia criado o selo Seroma (cujo nome vinha das iniciais de Sebastião Rodrigues Maia) e, ao conhecer a seita e abraçá-la, resolveu modificar todas as letras que vinha gravando, substituindo-as por elegias ao Racional Superior. Tim posou para fotos sem barba nem bigode, com o cabelo cortado à máquina, tendo por trás um enorme poster de “seu” Manoel, o “mestre de branco”. Passou a dar entrevistas atacando antigos amigos ou ídolos, como Raul Seixas e John Lennon, a quem acusava de “enganadores” – o primeiro, em especial, pelo seu envolvimento com o mago Aleister Crowley. E segundo várias testemunhas – Hyldon entre elas – largou mesmo as drogas, pelo menos as ilegais (anos mais tarde, membros do grupo de reggae Cidade Negra, criados na mesma baixada fluminense da seita Racional, diriam numa entrevista que costumavam ficar jogando bola na porta da sede, em Nova Iguaçu, e sempre aparecia alguém “pedindo pra gente comprar cigarro pro Tim Maia”).

ENFIM, O SOM: Entre os ensaios e as gravações, Tim se esmerava em converter toda a sua banda e vários dos seus amigos. “Eu comecei a ler o livro mas parei na página 42. Tim passava na minha casa todo vestido de branco e perguntava se eu já tinha terminado. Eu simplesmente dizia: ‘tô lendo, Tim, tô na página 42’ “, diz Hyldon, ele mesmo autor de outra pérola obscura do soul brazuca, Deus, a natureza e a música (reeditado há pouco em CD). Num ato que lembrava mais as manias de seu desafeto Roberto Carlos, Tim começou a barrar quem fosse visitá-lo e não estivesse devidamente vestido de branco. Todos da banda Vitória Régia – o nome vem da rua onde ficava o estúdio Seroma, uma ladeira na Lagoa Rodrigo de Freitas, Rio de Janeiro – se voltaram para os estudos da seita, por devoção ou simplesmente para manter o emprego. No estúdio, Tim se revezava em vários instrumentos, como flauta, violão, guitarra e bateria. Músicos como Beto Cajueiro, Robson Jorge, Serginho Trombone e Paulinho Guitarra não ficavam atrás no troca-troca. Foi nesse esquema que os dois volumes de Tim Maia Racional foram gravados.

Com capas idênticas, os dois discos se diferenciam um do outro em alguns aspectos. O primeiro, que contém apenas músicas de Tim, soa como uma “rádio Racional”, com músicas intercaladas por vinhetas (segundo várias pessoas, algumas delas chegavam a ser executadas em programas de rádio da seita). Entre uma e outra pregação, um reggaezinho (“Imunização racional (Que beleza)”), soul pesado (“Bom senso”), samba-soul (“Universo em desencanto”), baladas (“Leia o livro Universo em Desencanto”) e até uma viagem funk de dez minutos (“Rational culture”), na qual Tim pregava a seita em inglês, lembrando um reverendo. No segundo volume, ambém repleto de pérolas soul-funk, havia a prova de que Tim conseguira realmente contagiar alguns de seus amigos: entre faixas de sua autoria, haviam canções de Robson Jorge (a balada “O dever de fazer propaganda deste conhecimento”), Beto Cajueiro (a toada “Cultura racional”) e parcerias entre membros da banda (“O caminho do bem”, de Fábio, Beto Cajueiro). Para quem havia largado as drogas, impressiona o soul quase psicodélico de “Energia racional”. Tim chega mesmo a se satirizar no disco, com o samba-soul “Paz interior”. Edson Trindade, autor da música, fez dela uma resposta a outra canção sua gravada por Tim, “Gostava tanto de você” – o refrão diz: “eu agora/já não dependo de você”. Em “Quer queira, quer não queira” (de Tim e Fábio – aquele mesmo, de “Estela” e “Lindo sonho delirante”), o tom era mais ameaçador do que o louvor do primeiro álbum: “queira ou não queira/todos vão ler”. Sinal de que a barra talvez começasse a pesar para a fé de Tim.

Capa Tim Maia Racional Volume II

DENTRO E FORA DA SEITA: Os dois LPs Tim Maia Racional (lançados em 1974 e 1975 com renda revertida para a seita) chegavam às lojas pelas mãos dos próprios músicos. As capas traziam figuras tiradas dos livros da Cultura Racional, incluindo um bisonho “mapa da formação e criação do mundo de energia elétrica e magnética”. Não podia mesmo dar certo. As rádios até executaram “Imunização racional (Que beleza)”, mas os discos assustavam os fâs e concorriam nas lojas com os antigos LPs do próprio Tim.

tim_maia_racional

Imerso no Mundo Racional, o intérprete de “Primavera” dedicava-se a catequizar seu próprio público. Convidado para uma apresentação num programa da Globo, rede de televisão com a qual sempre teve problemas, o cantor levou toda a sua troupe vestida de branco – escutou de um diretor que “roupa branca não ficava bem na tv”, além de um pedido para que se trocasse. Saiu da estação pela mesma porta que entrou. Os problemas para conseguir espaço na mídia redobraram e a falta de grana aumentava, junto com vários outros galhos. Uma encrenca lhe abateu em especial: em 1974, Tim foi processado por plágio, numa pendenga judicial que se arrastaria por décadas e que o cantor atribuía à fraude de uma editora musical que queria prendê-lo por contrato. Como costumava dedicar shows inteiros aos estudos da seita (o que incluía estudantes do Mundo Racional no palco, pregação ao vivo e distribuição de folhetos), perdeu boa parte de seu público original. Os dois LPs Racionais, além de venderem pouco, foram massacrados pela crítica.

Tim deixou a seita em 1975, brigado com “seu” Manoel e atolado em dívidas. Tinha passado um ano dando uma de garoto propaganda para a seita e só conseguira queimar seu filme – isso, diga-se, após pintar vários objetos pessoais de branco, doar discos antigos, perder rios de dinheiro e colocar o emblema do Mundo Racional até mesmo em seu carro. Uma de suas primeiras providências assim que encerrou a fase de boca-de-siri sobre a seita foi desancar o antigo mestre – segundo Tim, “seu” Manoel vendera milhões de livros às suas custas, planejava “construir um motel para extraterrenos” e era o “maior estuprador de Nova Iguaçu”, graças a uma espécie de Viagra natural chamado guiné-tabu, que Manoel Jacinto consumiria avidamente. Não era preciso consultar o tal Racional Superior para perceber que a vocação do cantor para as loucuras tinha voltado com força total. Numa época em que Gil e Caetano eram presos pela ditadura e se mandavam para Londres, Tim Maia tinha preferido outro tipo de exílio. O resultado foram dois discos memoráveis, mas a carreira do cantor ficaria à deriva por um bom tempo.

……..  continua

Share